17/10/2011



“ Eu achava que tinha previsto tudo… tudo… mesmo tudo… e olha… veja só…”


Silêncio. Ele fecha os olhos. Ela o olha e diz:

“ A dor… não… nunca é possível!”

Ele responde:

“ Pois é… pensamos sempre que a conhecemos com a nós próprios e então, não… a cada vez que ela volta, volta sempre assombrosa!”

08/10/2011